The Legend of Zelda: Breath of the Wild e informações sobre as Dungeons!

The Legend of Zelda: Breath of the Wild e informações sobre as Dungeons!

Um dos elementos mais famosos de The Legend of Zelda são as dungeons que desafiam o herói (e o jogador) a enfrentar puzzles, inimigos e chefes de fase. Mesmo com todo material divulgado de Breath of the Wild, nada sobre as dungeons foi revelado. Porém, a revista Game Informer lançou uma matéria especial sobre o jogo recentemente, que confirma a existência dos calabouços no jogo, mas revela que estes mapas estarão um pouco diferentes do que os fãs estão acostumados.

The Legend of Zelda
The Legend of Zelda, Dungeon clássica – Imagem de divulgação

A primeira mudança será nos itens obtidos, não sendo mais um específico o que pode tornar os puzzles mais variados. Esta característica é um retorno as primeiras versões do jogo que tratavam as dungeons desta maneira. Desta forma, os chefes não são derrotados com um item específico daquele calabouço e os jogadores precisarão pensar em formas diferentes para enfrentá-los, de acordo com o que tiverem em seus inventários. Outra mudança drástica é a ausência da bússola que mostrava localização de itens e pontos de interesse. E o mapa também foi remodelado, tornando-se um modelo 3D.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

The Legend of Zelda: Breath of the Wild – Imagem de divulgação

A última alteração vista pela revista é que o calabouço jogado pela equipe parecia menor do que os mais tradicionalmente utilizados na franquia, mas não está claro se este será o caso para todos eles. Também é válido notar que Breath of the Wild contará com mais de 100 Shrines, que são pequenos calabouços espalhados por toda Hyrule que o jogador poderá visitar na ordem que quiser.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild é o retorno da franquia as suas origens, com um mundo aberto para explorar e uma jogabilidade não-linear, possibilitando terminar o jogo mesmo sem concluir a história. O game será lançado para Wii U e Nintendo Switch em 3 de março de 2017.