PSI retorna com histórias mais profundas e polêmicas!

PSI, a série que acompanha as aventuras de psicólogo, psiquiatra e psicanalista Carlo Antonini (Emílio de Mello), chega a sua terceira temporada neste domingo (9) às 21hrs na HBO. Em um novo formato, a série terá cinco novas histórias desenvolvidas ao longo de dez episódios. Na prática, cerca de dois capítulos de cada vez contarão uma história fechada, funcionando como um filme para TV. A convite da HBO tivemos a honra de assistir aos dois primeiros episódios da série criada pelo autor e psicanalista Contardo Calligari, que também é agora o Diretor Geral da série.

Na primeira história, o psiquiatra Carlo Antonini sente dificuldade em aceitar o desejo da jovem Aurora que possui uma doença terminal: cometer um suicídio assistido. Este procedimento é ilegal no Brasil e na trama do episódio se torna uma discussão central do “Porque não podemos escolher quando e onde podemos morrer? “. O fato da paciente ser uma jovem faz com que o peso dramático do episódio seja maior ainda. Alguém que teria tanto para aproveitar a vida, conhecer novas pessoas, fazer uma faculdade, transar e se apaixonar, mas por uma doença acometida desde seu nascimento, nenhum destes desejos poderá ser realizado e a cada novo sopro de vida restante mais dor e sofrimento ela sente.

O suicídio é tratado como uma patologia psicológica e é pouco debatido aqui no Brasil. É uma situação tratada como tabu e a série PSI traz justamente estes assuntos a tona. Com estes dois episódios é possível observar que a série irá tomar um rumo totalmente novo, explorando muito mais as fraquezas e situações difíceis de Carlo Antonini do que sua capacidade de tentar resolver tudo a todo momento.

Após a exibição dos dois primeiro episódios, pudemos entrevistar o criador da série Contardo Calligaris, Emílio  de Mello e Maria Angela de Jesus, vice-presidente de Produções Originais da HBO Latin America.

De acordo com Maria Angela de Jesus, “Antonini estará em um novo patamar” nesta nova temporada. Complementando, Calligaris diz que nesta temporada as aventuras de Carlo Antonini darão mais espaço para os protagonistas da série, fazendo uma diferença grande de aprofundamento, de aproximação e haverão três histórias com jovens que abordam questões sociais extremamente cabeludas. Como lidar com a questão do desejo de morrer, quando é mais do que uma questão individual como também política? 

E não apenas nós ficamos impressionados, mas também o próprio Emílio de Mello que revelou que ainda não havia visto o episódio, nem mesmo as cenas de revisão. Fiquei bem impressionado e o que mais me impressionou neste episódio que é algo que a gente discute desde a primeira e segunda temporada é a questão do tempo, de como o silêncio é significativo em PSI. Várias coisas que o Carlo não fala são muito mais significativas do que as coisas que ele fala corriqueiramente. E nestes novos episódios eu senti um tempo muito diferente do que a gente vinha trabalhando, porque o tema é muito pesado e triste demais, eu realmente me emocionei vendo a cena e imagina gravando isso.

E Emílio é realmente um excelente ator, tanto que a sua indicação ao Emmy de melhor ator em 2015 comprova isto. Na entrevista, o ator revelou que uma das últimas cenas do segundo episódio, quando Carlo e a paciente têm uma conversa decisiva sobre desistir de viver, uma cena que envolve muito sentimento e necessita de um grande trabalho de atuação, foi a primeira cena a ser gravada nesta nova temporada.

A temporada irá trabalhar muito questões da adolescência. Eu sempre fui, hoje não mais, mas sempre fui terapeuta de adolescentes, informa Calligaris, e a personagem Aurora é construída encima de uma paciente minha que morreu. As fotos e vídeos que aparecem no vídeo realmente são dela. Tudo, desde o sonho de transar com dois homens e a tentativa de realiza-lo antes de morrer, essa paciente que eu realmente adorava no melhor sentido, talvez escrever o episódio foi de certa maneira para compensar o fato que eu não tive a capacidade e a presença de espírito de ajuda-la a morrer.

PSI retorna chutando a porta com um tema bem complexo e controverso. Se você quer entender mais sobre o suicídio assistido, você precisa ver este episódio. Ainda não viu PSI? Então acesse o HBO GO, a plataforma online da HBO, que contém as duas primeiras temporadas.


Agradecimentos a todos do grupo PSI no Facebook pela elaboração de perguntas, em destaque para Victoria Fernandez, Janilton Varginha, Francinaldo Guedes, Renata Perri, Camila Coelho, Ruan Costa, Cristiane Fonseca, Pat Piquera, Pedro Paulo Narciso, Caio Gaona, Alessandra Araújo, Carolina de Azevedo, Hevelyn de Fatima, Adriana Marie, Cristiane Vitas, Ana Clara, Wanessa Correia e Carol Fasoli, vocês são incríveis 😀