A Grande Aposta | Seu dicionário de economia!

A Grande Aposta | Seu dicionário de economia!

Não sou mestre da economia. Muito menos alguém próximo do mercado financeiro. A Grande Aposta, do diretor Adam McKay (O Âncora), traz consigo a difícil tarefa de explicar o que foi a grande crise financeira de 2008 para nós, meros mortais leigos no assunto. Entenda, “leigo no assunto” não pelo motivo de estarmos em outro país (as terras tupiniquins brasileiras) e sim por trazer uma enxurrada de termos complicados que estão fora do nosso cotidiano.

Contando com um dos elencos mais interessantes dos indicados ao Oscar: o monstro Steve Carrel mostra toda sua versatilidade (algo que já foi visto em Foxcatcher); Christian Bale (Batman na trilogia do Nolan); Ryan Gosling (o muso das comédias românticas e também de Driver) e por último no time de escalação e Brad Pitt (Inglorious Bastards), que com certeza poderia ser substituído por qualquer outro ator, o filme tem a missão de contar uma história complicada de como pessoas previram um problema na bolha financeira migrando para a crise antes mesmo que ela chegasse, tudo isso da forma mais didática possível.

Esses 4 investidores, volta e meia se encontram ou interagem, junto a alguns personagens coadjuvantes. Carrel possui seu próprio time de negócio, trabalhando com Gosling mutuamente a favor de uma busca inflamável por seus benefícios. Pitt, já cansado de trabalhar com tantos números e investimentos, procura ajudar um dupla jovem de novos acionistas. Tudo isso acontece em tela enquanto o lobo solitário de Bale, descobridor do problema que irá acarretar à crise, uiva quieto em meio a seu anti-socialismo e rock pesado.

A grande aposta - nerdcida - paramount_picture_distribuição

Aos personagens, há dois pontos: Christian Bale trabalhou muito bem no filme, mas comparado aos outros concorrentes na categoria “Melhor Ator Coadjuvante” talvez ainda não esteja tão perto assim. O segundo ponto é que Ryan Gosling aqui e acolá resolve quebrar a quarta parede (visto muito no Deadpool) pra explicar algo. E é aí que o filme te pega.

A ideia de interação e didatismo traz alguém pegando aqueles termos técnicos fodas e te mostrando em uma sopa de letrinha como as coisas são feitas. Margot Robbie ensina muito bem sobre “a palavra que significa merda”, Selena Gomez fala sobre economia relacionada a uma mesa de apostas de Black Jack e essa pausa de Gosling para falar com o público traz o be-a-bá do que é o mercado financeiro. Claro que não são três ou quatro termos em meio aquele turbilhão do mercado que irá facilitar nosso entendimento.

O diretor insiste em um personagem subliminar em meio a toda essa situação: o dinheiro.

A eterna busca por lucros (muito lucro!) e a visão que cada personagem tem para avaliar o campo acaba sendo massante em meio a seus altos e baixos, jogada muito vista em O Lobo de Wall Street (Scorsese) onde é inevitável não compararmos em questões de “retrato ao american lifestyle“.

Apesar de sua linguagem rápida e técnica, A Grande Aposta traz aquilo que prometeu no começo: “te ensinar um pouco sobre economia, já que Wall Street ama utilizar termos confusos para você pensar que só eles podem fazer o que fazem”. Pra quem é mais sabido com economia, é um prato cheio!