Arquivos Paranormais: Novo RPG da AVEC editora é um desafio para mestres e jogadores experientes, mas ainda bastante acessível aos novatos.

Arquivos Paranormais é um RPG de mesa de fantasia urbana que coloca mestres e jogadores na pele de Investigadores treinados, integrantes de uma Agência responsável por investigar Fenômenos estranhos que começaram a ocorrer.

Escrito pelo veterano game designer Jorge Valpaços (autor do RPG de Beladona, “Pesadelos Terríveis” e de “SeanchaS”), os jogadores terão em mãos um manual de jogo completo, com tudo o que é preciso para jogadores iniciantes e experientes se aventurarem em Casos com alienígenas, fantasmas, monstros e outras dimensões e o que sua imaginação desejar.

Como o Sistema alimenta o suspense da narrativa

O sistema de regras foi construído de forma a unir dois conceitos fundamentais: a investigação e a aventura.

“Todo o desenvolvimento do jogo se pautou em pensar que os usos de habilidades pelos investigadores alimentam a trama, recompensando os jogadores proativos com mais chances para solucionar o caso; se eles colaborarem e se ativerem ao fenômeno que originou o mistério”, responde o escritor e game designer de Arquivos Paranormais.

Dessa forma, os dados são jogados não para dizer se houve um sucesso ou um fracasso em uma ação. Mas para fornecer indícios que levam às pistas ou para remover alguma complicação da cena.

“Além disso, seguindo o Sistema L’Aventure (que impulsiona o jogo), as chances de solução do Caso aumentam de acordo com o engajamento que os jogadores possuem com o mistério. Isso faz com que o próprio jogo alimente o clima de suspense e flerte com o insólito, com o desconhecido, que é fundamental para o clima proposto”, complementa Jorge.

Diferente de outros sistemas que não levam em conta as relações com seus colegas de trabalho, as motivações, dramas pessoais e a história de vida da personagem nas mecânicas do jogo, em Arquivos Paranormais o sistema todo foi desenvolvido para que os investigadores tivessem diferentes dimensões em uma partida:

“Esses são componentes extrajogo em grande parte de jogos de investigação. Mas em Arquivos Paranormais, as personagens são mais do que simples operativos à serviço da agência. Eles possuem vidas complexas e todos estes elementos fazem parte das regras. Quem gosta de narrativas intensas, onde vida das personagens importa, vai gostar de Arquivos Paranormais”, recomenda o autor.

Como o jogo facilita a criação de suspense e mistério

Segundo o autor, Arquivos Paranormais é um jogo que possui uma estrutura episódica de partidas. Cada caso investigado pela agência funciona como um capítulo de uma série televisiva. O condutor das partidas, normalmente chamado de mestre do jogo ou narrador, ganha o título de Diretor em Arquivos Paranormais. Ele vai dirigir a Série (a campanha do jogo) e conduzir a narrativa de forma semelhante ao que um diretor de audiovisual faz.

“Isso gera uma perspectiva um tanto diferente em relação a vários jogos do gênero. Um exemplo disso é o clima de ‘o que vai acontecer no próximo episódio’ que deriva de uma mecânica do jogo (a consulta à solução do caso) e a instância de ‘no último episódio…’ que é emulada pelo registro das últimas sessões que é gamificado por meio de arquivos, daí o nome Arquivos Paranormais”, explica.

O grande diferencial da obra em relação a outros RPGs de investigação é que tudo foi pensado para a atmosfera de mistério, investigação de lendas, conspirações e fenômenos do insólito serem sempre o ponto central do jogo. E o “como” essa atmosfera é criada é que torna esse jogo tão único.

“Isso porque não há, por exemplo, vitalidade ou pontos de vida em Arquivos Paranormais. O que temos como recurso finito, que pode ser esgotado ou removido, são os Pontos de Protagonismo, que mesuram a intervenção na narrativa e o destaque que uma personagem possui na história. Isso significa que jogar Arquivos Paranormais é também gerenciar o destaque que você possui na mesa de jogo, fazendo com que o jogador tenha ciência do seu papel no episódio. A diferença é que ele não terá um roteiro a seguir, mas controlará isto por meio do Sistema L’Aventure”, detalha.

Toda e qualquer atividade fora do comum para nós, que pode ir desde de lendas urbanas, alienígenas que supostamente convivem conosco ou mesmo a presença de legiões demoníacas são ganchos possíveis para aventuras em Arquivos Paranormais.

“Mas não se trata apenas de matar monstros ou solucionar mistérios. A Agência deve manter a população sem saber, na maioria dos casos, o que está acontecendo. E esse é o grande trunfo de um jogo que tem por objetivo tratar destes casos tomados como irreais. Será mesmo que o que temos acesso por meio de creepy pastas, relatos paranormais em canais do YouTube ou mesmo filmes, livros e séries não fazem parte de uma grande contrainformação para retirar a nossa credibilidade sobre tudo isso? E mais, será que esse meu questionamento também não é parte da contrainformação? A verdade está na Agência…”, brinca Jorge.

Um jogo que desafia Mestres (diretores) e ao mesmo tempo é bastante simples. Mas, desafia como?

Além de tudo isso, o autor afirma que Arquivos Paranormais é bastante fácil para mestres (ou “Diretores”) conduzirem. O jogo foi pensado para os diretores iniciantes, sem perder o atrativo para mestres experientes.

“Me refiro ao jogo possuir um suporte interno para a construção de Casos (aventuras) e condução de Séries (campanhas). Todo o manual de jogo está repleto de exemplos, notas explicativas, fluxogramas e contos que praticamente te colocam dentro do jogo. O manual possui duas agências completas com Investigadores prontos para jogar. Basta preencher as fichas e começar. E caso você deseje criar outros cenários de jogo, a metodologia é tão simples que em menos de 30 minutos você já tem toda a estrutura de uma agência para começar uma série”, defende.

Para os mestres experientes, o jogo aparentemente de mecânica simples ainda traz um desafio que torna tudo mais divertido: o Diretor precisa engajar com o jogo, gerenciar recursos e avaliar a ação dos jogadores de forma ativa. Um mestre de RPG experiente vai ler Arquivos Paranormais como uma grande caixa de ferramentas. Porém não uma caixa de ferramentas totalmente genérica, mas bem focada na investigação. Há uma grande gama de regras opcionais e dicas para você mexer em alguns elementos do Sistema L’Aventure para adequar à sua proposta de jogo.

“Se você gosta de séries e livros, indo do New Weird de China Miéville, passando por Arquivo X, ao universo de Hellboy ou animações mais recentes como Bungou Stray Dogs, você não vai ter muito trabalho para as suas adaptações. Então se você quer algo que evoque terror, vai ter mecânicas exclusivas em Arquivos Paranormais. Deseja super ciência em um laboratório como dos Homens de Preto (MIB)? Isso também é coberto por Arquivos Paranormais. Cabe ao diretor fazer a alquimia, misturando os componentes corretos para a experiência única que as partidas fornecerão. Em outros termos, há uma alta ‘rejogabilidade’ e adaptabilidade em Arquivos Paranormais”, adianta.

E para os jogadores novatos? É fácil começar?

Arquivos Paranormais foi planejado para ser um bom jogo de entrada no universo de jogos narrativos e RPG.

“Todas as informações sobre as Perícias e Minúcias são bem claras tanto no manual de jogo quanto na ficha de personagem. Isso significa que o tempo de aprendizagem do sistema é muito rápido. E a própria criação de personagens também. Como o sistema recompensa os jogadores durante as partidas e não apenas no final delas (com a típica distribuição de XP), os iniciantes vão ‘aprender jogando’ e isso aumenta o engajamento com o jogo, ainda que haja várias manobras possíveis aos jogadores”, conta Jorge.

Mas isso não torna as coisas menos divertidas para os experientes?

Na verdade o jogo deve ser um desafio delicioso. Isso porque Energia, Protagonismo e Minúcias são 3 recursos a serem gerenciados pelos jogadores. E eles não são como grande parte dos RPG; cada qual habilita manobras peculiares que podem livrar a sua cabeça do perigo ou levar a investigação ao fracasso.

“E isso é interessante de notar porque tanto aqueles que gostam de um jogo mais focado em desafios e que vão buscar otimizar uma personagem criada, quanto aqueles que buscam a intensidade da história vão encontrar intersecções em Arquivos Paranormais. As 3 camadas que sustentam o jogo (Relacional, Ocupacional e Pessoal) foram desenvolvidas para entrelaçar o que supostamente era considerado (por uma tradição de jogos) algo inconciliável como necessário para jogar. Ou seja, você vai precisar pensar na narrativa e em componentes mecanicamente ativos para a solução dos casos, bem como para progredir com sua personagem junto aos demais”, destaca.

Se está procurando por um jogo de investigação do insólito e gostou das informações compartilhadas nesse release, Arquivos Paranormais já está à venda no site da AVEC.

Clique aqui para comprar o seu.

Ficha Básica:

ISBN
978-85-5447-019-7

PREÇO
R$ 39,90

FORMATO
16×23 cm
216 páginas
Papel: Lux cream 90g
Capa:Supremo cartão 250g Prolan fosco, verniz localizado

CATEGORIA
RPG
Investigação Sobrenatural
Fantasia urbana

Autor: Jorge Valpaços
Editor: Artur Vecchi
Diagramação: Bruno Prosaiko
Ilustrações: Lucas Marques e Bruno Prosaiko
Revisão: Prissilla Souza
Comunicação: Vagner Abreu e Lígia Colares