COLUNA RAINHA NERD | Agents of S.H.I.E.L.D. e sua evolução

Uma nova coluna surge aqui no Nerdcida (AEEEE), agora com a nossa parceira Paola Girão do Rainha Nerd! Confira o primeiro artigo dessa união sobre a série Agents of S.H.I.E.L.D. 😀


A quarta temporada de Agents of S.H.I.E.L.D. terminou nesta terça-feira (16/05), após três arcos cheios de ação, drama, violência, emoção e plots twists.

A série que começou em 2013, de maneira despretensiosa, fez com que muitos fãs perdessem o interesse em prosseguir. Porém, a partir do momento que é revelado um agente da HYDRA infiltrado na equipe de Phil Coulson (Clark Gregg), as coisas começam a fluir de forma mais tensa.

Quando o Motorista (como ele dirige um carro, chamamos de “motorista”) Fantasma (Gabriel Luna) foi anunciado na quarta temporada, muitos voltaram a se interessar. Seu começo já foi (literalmente) pegando fogo, quando Daisy Johnson (Chloe Bennet) vivendo escondida por ser procurada como inumana criminosa, investiga mortes de pessoas queimadas. Logo no primeiro episódio, lutam entre si e apesar da Tremor ser badass, Robbie Reyes leva a melhor.

O final do arco do Motorista Fantasma nos deixou com um gostinho de “quero mais” e muitos novamente desistiram por sua saída. Estes, não sabem o que perderam… Mallory Jensen, a intérprete de AIDA, Agnes e Madame HYDRA, deu um show de atuação mostrando suas várias facetas. Com destaque para o penúltimo episódio, onde ela se torna humana para conquistar o coração de Leopold Fitz e ao ser rejeitada, surta e decide destruir o mundo.

Muitos espectadores tinham um pé atrás com o vilão desta temporada, tendo em vista que estavam acostumados com Brett Dalton (Grant Ward/Hive) sendo sempre a pedra no sapato da equipe. E o mesmo aconteceu quando Jason O’Mara foi anunciado como o Patriota, novo diretor da S.H.I.E.L.D. Mas os produtores fizeram um excelentíssimo trabalho nos deixando apaixonados pelo diretor Mace e criando um caso de lovehate com AIDA.

A morte do Patriota no framework (mundo paralelo criado por Radcliffe e Fitz) foi um dos ápices da temporada. O jargão “a Marvel não mata ninguém” não se aplica ao seriado que já matou muitos personagens ao longo da trama. Além disso, ficou mais violenta com cenas sangrentas, socos, tiros e que mexem com o psicológico do espectador.

Iain de Caestecker fez um trabalho espetacular como o “Evil Fitz”, braço direito da diretora da HYDRA. Vê-lo sem emoções e totalmente o oposto do que é, foi mais um dos pontos altos do arco Agents of HYDRA. Elizabeth Henstridge já havia mostrado todo seu talento na terceira temporada, em Maveth, entretanto voltou a realçar sua brilhante atuação quando convenceu Coulson e a todos no Framework de que tudo aquilo não era real, bem como na épica cena em que mata o pai de Fitz, deixando-o irado.

O retorno do Motorista Fantasma ao final do penúltimo episódio, só fez a série fechar a temporada com chave de ouro. O que trouxe a noticia da confirmação para uma quinta temporada, apesar dos baixos números de audiência. Além do mais, a cena pós-créditos com Phil acordando, observando a janela e vendo o espaço, só aumentou a ansiedade e esperança dos fãs para que possivelmente aconteça um crossover com Vingadores: Guerra Infinita. Afinal, qual seria o outro motivo para a equipe estar no espaço?

Agents of S.H.I.E.L.D. cresceu e se tornou independente, apesar das várias referências ao UCM e às outras séries. Sua quarta temporada foi um verdadeiro tapa de película naqueles que disseram não terem futuro e desistiram na primeira temporada.

Agora, nos resta aguardar seu retorno apenas em janeiro de 2018, onde voltará ao seu horário antigo, às 21hs. na ABC. A série chega ao canal Sony em Junho e a previsão de chegada à Netflix é para setembro.

  • VOCÊ 3D MODELOS

    Bom resumo, essa quarta temporada foi realmente muito boa, eu fui um dos que parou de ver a serie na 1a temporada, mas dps de acompanhar tudo, realmente percebi que a serie teve uma evolução gigantesca. Sobre o gancho do espaço, acho que agora vamos ter a S.W.O.R.D